Pesquisar

Plenária Nacional discute mobilização dos Auditores-Fiscais

      

Na manhã dessa terça-feira, 26 de junho, foi iniciada a Plenária Nacional para discutir campanha salarial 2012. Mais de 300 Auditores-Fiscais participam desses dois dias de discussão em São Paulo.

A mesa diretora da Plenária Nacional, composta pelos Auditores-Fiscais Célio Diniz (Limeira), César Haiachi (Taubaté), Carlos Robero Teixeira (Goiânia), Luiz Gonçalves Bomtempo (Brasília), Rogério Calil (Rio de Janeiro) e Antônio Ferreira dos Santos (Cuiabá), foi eleita por consenso. O regimento interno da última Plenária, ocorrida ano passado, foi aprovado sem alterações entre os presentes.

 

O presidente do Sindifisco Nacional, Pedro Delarue, em seu rápido pronunciamento, reforçou que a Plenária é a oportunidade dos Auditores-Fiscais esclarecerem possíveis dúvidas sobre os procedimentos a serem adotados durante a mobilização por tempo indeterminado. Para ele a mídia tem relatado de forma positiva o movimento, demonstrando o impacto causado pela operação padrão e crédito zero no país.

Os coordenadores do Comando Nacional de Mobilização (CNM) Eduardo Tanaka e Raul Cabadas Filho, explicaram que as bases é que deverão definir a melhor forma de atuação e implementação do movimento em cada Região Fiscal, uma vez que o CNM não pretende “engessar” a categoria ditando regras excessivas.

Em seguida, os representantes dos Comandos Regionais de Mobilização das dez Regiões Fiscais e Delegacias Sindicais trouxeram informações sobre como anda a mobilização em suas localidades.

          

Nos informes da DS BH, o presidente, Luiz Sérgio Fonseca Soares, relatou que a categoria está aderindo ao movimento, mas que a mesma ainda não está pronta para um enfrentamento mais radical com o governo. Segundo ele, nos moldes dessa mobilização, é difícil para o sindicato mensurar quem realmente está participando do movimento e assim aferir o índice de participação da categoria. “Não podemos fraquejar, mas sempre "agir com a cabeça e não com o fígado", enfatizou.

Em uma análise geral sobre o primeiro dia de Plenária Nacional, percebeu-se que ainda existem dúvidas da base e inclusive dos dirigentes sindicais em relação à manutenção do movimento, especialmente no que tange aos procedimentos que devem ser adotados de forma uniforme em todo o país. São várias as críticas sobre a condução do movimento e a atuação do CNM em determinadas regiões. Mesmo assim, a categoria tem optado por manter a operação padrão na zona primária e crédito zero na zona secundária, conforme orientações.

O corte de ponto referente à greve de 2008 tem sido bastante discutido na Plenária. O tema é visto como empecilho para um maior crescimento do movimento em nível nacional, por trazer insegurança à categoria. Foram sugeridas tentativas de reversão desse corte por meio de acordos com a Administração da Receita Federal do Brasil para que os Auditores-Fiscais possam compensar os dias parados.

Caso a reversão ocorresse, o Sindifisco Nacional receberia de volta cerca de R$ 9 milhões, que foram pagos aos filiados que sofreram corte de ponto. Os recursos poderiam ser aplicados na constituição de um novo fundo de corte de ponto para assegurar a categoria no movimento de 2012.

As discussões da Plenária Nacional serão encerradas nesta quarta-feira, 27 de junho.

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
  • Vídeos

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
  • Fotos

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
  • Fiança Locatícia

Joomla Templates and Joomla Extensions by JoomlaVision.Com
  • Classificados